Fotos: Ronaldo Donizeti e Márcio Mattos | Masculicidade

Nosso entrevistado de hoje é Maoriguy. Paulista de São José dos campos, morador de São Paulo, o lindo e tatuado moço tem 31 anos, 1,76m, 72kg e calça 42 (perfeito para quem curte um podolatria!).  Concorrente do Mr. Leather Brasil, ele vai contar um pouco do que curte nesse mundo fetichista.

 Porque o Sr decidiu concorrer ao Mr. Leather Brasil?

Tive muita vontade de competir e participar já que o Brasil não é muito conhecido pelo movimento. Conhecer mais pessoas do meio leather e BDSM. Podendo ganhar e ser um destaque do meio e até mesmo representar o Brasil lá fora!

 De fato o Brasil não é muito conhecido pelo movimento leather. O Sr. acha que o concurso poder ajudar nisso?

O concurso já ajuda a reunir todos da comunidade leather e BDSM a serem mais unido e ter mais visibilidade tanto no meio fetichista quanto fora, acabamos atraindo mais pessoas e curiosos para saber sobre essa cultura, em geral criando mais destaque pra ela em si.

 Na sua visão, quais os desafios da cultura leather hoje? Ainda há muitos tabus?

Precisamos desmistificar o fetiche e colocá-lo em evidência para ter maior visibilidade na sociedade. Sofremos preconceitos de todos os lados até mesmo dentro do meio gay, pois eles acham que por termos nossos fetiches e gostarmos de couro e BDSM somos todos pervertidos sexuais, pessoas pesadas que preferem não se relacionar. Sempre sofri com isto, em conhecer pessoas e optar às vezes por não revelar este meu lado para não assustá-las e não criar desconfortos. Muitas vezes nem comentando nada para não ser julgado.

 O Sr. tem alguma peça de couro que gosta mais?

Minhas botas Doc-martens. Tenho 3 pares delas (cherry, blue marine e green). Atualmente tem também as minhas peças novas que criei e mandei fazer com minhas medidas.

 Que peças são essas? Pode adiantar pra gente o que público vai ver no Mr. Leather?

Então, são peças que tem a minha cara. Um colete, gravata, camisa, chaps, uma regata e uma polo em couro, todas sob medida que criei e mandei confeccionar.

 Tem algum momento especial ou divertido relacionado ao mundo leather ou BDSM que o Sr. gostaria de contar para nossos leitores?

Tem inúmeras situações que vesti totalmente de couro para as pessoas me verem e saberem sobre meu fetiche. Em viagens internacionais, parada gay, até mesmo festas coorporativas… Me divirto muito e sempre causa “polêmica”. Tem gente que gosta, outros acham divertido, alguns criticam, porém só estou sendo livre e feliz com que eu gosto!

 A sua relação com o BDSM é antiga?

Eu sempre curti o BDSM ao mesmo tempo que curto leather. Para mim as duas coisas andam juntas pois mexem com meus desejos: sou praticante e Dominador. Tenho inúmeros fetiches e preferências, gosto de homens maduros, pés, couro, tattoos entre tantos outros…

 E pra quem ainda não tem essa desenvoltura e liberdade que você tem pra se expressar, que conselho vc daria?

Pesquisa, estuda e realiza algumas coisas para ver se é realmente isso que quer. Só assim para saber o que se gosta e como vai agir nas diversas situações. Sempre São, Seguro e Consensual (SSC). O resto, só com o tempo vai vindo… com experiências. Seja livre, acesse sites, vá em festas, faça amizades com pessoas do meio. As pessoas podem sempre te indicar coisas boas como sites de compras de couro e acessórios e claro, as melhores festas e encontros.